Tudo que Deus criou ... foi pensando em você!

terça-feira, 28 de abril de 2009

APRENDENDO ...







Aprender, confesso, foi um caminho difícil de ser trilhado. O que mais me atrapalhou foram as dúvidas. Elas sempre existem porque estamos acostumados a sermos guiados. No começo de nossas vidas foram nossos pais que tiveram esta missão. Tão logo começamos a entender que somos gente, entram as religiões para atrapalhar mais ainda a nossa caminhada.



Na seqüência, temos contato com os professores. Os que mais me relembro não foram aqueles que me ensinaram a ler, a escrever e a fazer contas. Recordo-me dos professores que nos levavam para fazer passeios e nos mostravam a natureza, o respeito que tínhamos que ter com as árvores e plantas. Em outras palavras: em minha mente estão presentes os Mestres que me forjaram valores. Os que me ensinaram português e matemática são seres comuns. Os que ensinam métodos e valores de vida são sábios. Estes, os sábios, não são os que querem ser, são os que são e pronto.



Portanto, a base que tive foi uma mistura de educação com adestramento. Hoje, olhando para trás, sei identificar perfeitamente esta situação. A base de educação ajudou, e muito. A base de adestramento, em compensação, foi terrível porque sempre tentei, até há alguns anos, copiar valores.



Hoje sei o que representa isso, copiar valores.



Agora tenho absoluta noção do estrago que houve em minha vida por conta de valores que nada agregavam à minha essência. Eram dos outros e eu os queria para mim. Isso é terrível para um ser humano. Tentar ser feliz com a competência dos outros é um erro brutal.



Nossa caminhada é individual e só conseguiremos ser realmente felizes quando nos darmos conta disso.



Um dia, eu disse para mim: agora chega. Vou atrás da verdade. E fui. Obviamente, os que estavam acostumados comigo da forma que interessava a eles, estranharam.



Fiz minha primeira descoberta: o que os outros pensam da gente é problema deles. Nós é que temos que saber o que pensamos de nós mesmos.



Foi minha primeira lição.



A segunda lição foi com as religiões. Nasci católico. Esta religião é muito esperta. Batiza antes de você poder decidir se quer ou não optar por ela. Quando você se dá conta já é um membro. Aprendi que precisamos de religião. Precisamos zelar por valores de vida. Não é porque descobrimos o que não queremos para nós que isso significa o fim da jornada. É apenas o começo, porque somos obrigados a caminhar "solo", como se diz na linguagem aeronáutica. O vôo é solitário e responsável.



Na realidade a terceira lição é o começo de parar de responsabilizar os outros pelas minhas falhas, de esperar até que deus queira, de achar que as coisas andam mal e que assim teria até que mudar de cidade. Nesta fase, corretamente pensei: de que adianta mudar de cidade se levarei meus problemas comigo?



Fiz uma faxina nos meus valores espirituais e materiais. Fiquei com o que queria e abandonei o que me criava problemas. Diminui o pesado fardo que carregava. Chega de aceitar coisas impostas, de dogmas sobre os quais não concordo. Tornei a vida mais simples de ser vivida.



Aprendi que na profundeza do silêncio é que se encontra a nossa verdade.



Aprendi que a flexibilidade é a vida e a rigidez é a morte.



Aprendi que sou o dono do meu destino. Ele começa nos meus valores, e segue pelos pensamentos, palavras, atitudes, hábitos, caráter e assim se forma o meu, o seu, destino.



Um comentário:

Maristela disse...

"Sonhe sempre e almeje o que está além do ponto de vista que você sabe que pode alcançar. Não se preocupe com seus contemporâneos nem com seus seus antecessores. Tente ser melhor que você mesmo."

Só as pessoas que se atrevem a ir muito longe conseguem descobrir até
onde podem chegar.
T.S.ELIOT

Com carinho,
Maristela